Bandas e o crowdfunding
faça login para votar!
Enviar esse texto
login para votar!
Enviar esse texto
social bookmarks
Bandas e o crowdfunding
Os independentes vão atrás da força do público para viabilizar seus projetos.
12.03.12 14:30
O conceito de crowdfunding já se provou viável para o universo musical independente no Brasil. Crowdfunding, ou financiamento por conta do público, é algo novo que vem ganhando espaço no país há pouco mais de dois anos. A ideia é que pessoas com bons projetos podem disponibilizá-los ao público, que pode literalmente comprar ou não a ideia. Existem plataformas como o catarse.me e o movere.me que servem de vitrine para esses projetos, que vão do mais trivial aos mais complexos.

No Brasil, o exemplo de maior sucesso de todas as modalidades de projetos é sem dúvida o Queremos, que acontece no Rio de Janeiro. O Queremos funciona de forma um pouco diferente. É centralizado e os projetos são propostos pelo grupo de produtores que viabiliza os diferentes shows com o financiamento do público. O Queremos já levantou o suficiente para realizar 20 shows na capital carioca (incluindo artistas de grosso calibre como LCD Soundsystem e Primal Scream), contrariando a noção de que o mercado independente do Rio não teria capacidade para absorver muitos desses shows e investimentos. O próximo show na agulha é do Foster The People, que os cariocas já garantiram e vão assistir no dia 4 de abril.

O crowdfunding é uma grande saída para bandas que querem evitar modelos centralizados e desejam se manter independentes. O Autoramas, que já goza de um público fiel, embarcou no mundo do crowdfunding e conseguiu financiar toda a gravação do seu último disco, Música Crocante, através do site Embolacha (focado exclusivamente em projetos musicais). Tatá Aeroplano, vocalista do Jumbo Elektro, e nome forte da cena independente paulistana também está no Embolacha para financiar o restante da produção do seu primeiro disco. A situação para ele, contudo, está bem apertada, com apenas 4 dias faltando para o final do período de arrecadação e apenas 19% da verba arrecadada.

O Copacabana Club, que lançou seu LP de estreia no ano passado por conta própria, está entrando no crowdfunding pra financiar a primeira turnê pela Inglaterra. Os Copas, que já deram suas bandas pelo mundo se apresentando no Sxsw e em várias cidades americanas, têm agora 6 shows marcados no mês de maio ao redor de Londres, em lugares hypados como o Boiler Room e o Hoxton Square Bar & Kitchen. Segundo a vocalista do grupo Caca V., os cachês "quase simbólicos" oferecidos pelas casas de show londrinas tornavam impossível que a banda viajasse para os shows. A alternativa encontrada foi contar com a ajuda dos fãs.

O Copacabana Club entrou na onda crowdfunding para financiar sua primeira turnê londrina.
O Copacabana Club entrou na onda crowdfunding para financiar sua primeira turnê londrina.



Em troca do esforço do público, a banda oferece diversos tipos de recompensas, de acordo com o investimento, que vão desde eco-bags e fotos autografadas até drinks festivos com a banda no camarim de algum show próximo ao ganhador. A banda de Curitiba tem duas semanas para levantar o valor de R$ 6.000 para viabilizar a turnê. Até o momento, a banda tem aproximadamente 25% do valor. Para os fãs, é a chance de fazer a banda se afirmar ainda mais e garantir sua existência por um período maior. Quem quiser saber mais sobre a turnê e quiser contribuir com a vaquinha, pode se informar aqui.

A viabilidade desse tipo de projeto só depende do público e surge como alternativa forte em um mundo onde as grandes gravadoras se tornam cada vez menos importantes como elemento central, ao mesmo tempo que se tornam mais e mais receosas de investir em projetos musicais, ponderando sobre a improbabilidade do retorno do investimento. E assim segue a semi-utopia da música independente.

Equipe rraurl.com
Equipe rraurl.com
comentários
1 comentários
Lizandra Almeida
0AprovadoQueima
Um grande equívoco. O crowdfunding, o catarse, o embolacha e todos os outros agregadores de projetos culturais não são aplicáveis para o caso desta banda Copacabana Club. A trajetória deles não é independente. Tenho amigos aqui em SP que são amigos deles. Independente é a banda que tem talento mas não tem recursos. O Copacabana não tem talento basta analisar a qualidade vocal da "Caca V" ao vivo, não segura. Independente é o cara sem recursos, sem loby, sem sobrenome, sem ninguém bancando. O Copacabana é um grupo de riquinhos, basta olhar as doações feitas no catarse foi quase tudo feito pelas famílias. Tocar em pubs da Inglaterra não agrega nada ao cenário musical BRASILEIRO. Cachê simbólico não é desculpa, ou você é um bom músico e as pessoas vão pagar pra vc ir tocar, ou vc é "convidado" e tira grana do bolso pra fazer a coisa acontecer. Acho que com esse pedido o Copacabana descaracterizou completamente o projeto. São todos filhos de famílias ricas que vão pra Londres do mesmo jeito, se vc tirar dinheiro do seu bolso pra eles irem só vai estar perdendo seu tempo e sua grana!!!