Cinco Perguntas: Soul Clap
faça login para votar!
Enviar esse texto
login para votar!
Enviar esse texto
social bookmarks
Cinco Perguntas: Soul Clap
Dupla se apresenta no Rio Music Conference, no D-Edge e no Warung, nos dias 17, 18 e 19 respectivamente.
13.02.12 10:20
Soul Clap. A dupla botou em ignição novamente o mundo da house music. Depois do Soul Clap, a house music ganhou um ar de frescor novamente. Alguns podem dizer que o gênero nunca saiu de pauta, e é bem verdade que o mundo do techno aos poucos foi se apropriando de algumas idiossincrasias da house music, e na alemanha pós-minimal gente como Prosumer e Move D já estavam resgatando o deep house do ostracismo.

Mas o Soul Clap acertou a mão na mistura de forma que poucos nos últimos tempos conseguiram. Os nativos de Boston Elyte e Cnyce (ou Eli e Charlie) estavam numa posição geograficamente favorável. A oeste, Nova Iorque e a tradição deep house e garage. Seguindo mais a oeste ainda, Chicago e toda a tradição Warehouse, o house no seu estado mais extravagante.

Mas o som do Soul Clap não é só revival. A dupla mescla algumas lições aprendidas com o techno europeu atual e traz um som que é ao mesmo tempo rebolativo e compenetrado. Acima de tudo, faz as pessoas dançarem. Dançarem como se não houvesse amanhã, como se ninguém estivesse vendo, essa coisa toda. E todo dj hoje em dia tem uma ou duas músicas do Soul Clap no case. É uma questão de segurança, quase como um colete salva-vidas.

A dupla chega ao Brasil para 3 apresentações no auge do furor musical. Passam pelo "porão" do D-Edge no dia 17, se apresentam no festival do Rio Music Conference no dia 19 e no dia 20 se dirigem rumo a Balneário Camboriú para uma aprenteção no Warung que deve ser memorável.

Na mala, Eli e Charlie trazem as composições novas do disco E.F.U.N.K, o primeiro álbum da dupla e que será lançado em abril pela Wolf + Lamb, do Brooklyn. O disco é uma cristalização das influências do Soul Clap em um long player só de composições próprias. Bom humor e descontração são a tônica do disco, assim como das 5 respostas que os caras deram pra gente. E se isso é algum indício, quem estiver em uma das apresentações da dupla no Brasil deve se divertir bastante.



Em alguns meses o Soul Clap irá lançar seu primeiro lp pelo selo Wolf + Lamb, mas vocês andam recebendo muitos elogios do público e dos críticos em todo o mundo já há algum tempo. O que significa para vocês estar lançando este lp em abril?

Esse disco está no forno há um bom tempo! Ele é, na verdade, uma exploração de todas as influências que compõem o Soul Clap. Este lp também vai muito além da música para dançar, existem muitos climas e andamentos diferentes e conta com muitos cantores e músicos convidados. EFUNK é um marco importante para nós e estamos muito animados para compartilhá-lo com o mundo!

A capa do primeiro lp do Soulclap: descontração é a marca registrada do disco.
A capa do primeiro lp do Soulclap: descontração é a marca registrada do disco.



Vocês são fortemente influenciados pelo som dos anos 90, mas também ouvimos bastante coisa de funk clássico e alguns toques disco aqui e ali no som do Soul Clap. Que tipo de música fez vocês quererem ser djs e músicos?

Nós dois sempre fomos atraídos por discotecagem, desde que começamos a ir à raves e assistir batalhas de djs como o DMC na década de 90. Filmes como Juice e programas de TV como In Living Color também fizeram com que a figura do dj parecece muito legal! Eli cresceu rodeado por Jazz, eu cresci rodeado por funk e, como crianças que cresceram nos anos 90, nós fomos completamente imersos na cultura hip-hop. Nós sempre queremos mostrar que grandes djs são aqueles que exibem todas as suas influências e compartilham esse conhecimento com o público, e nós fazemos isso com muito orgulho.

Vocês estarão tocando em três festas completamente diferentes aqui no Brasil: um grande palco no RMC festival, uma pista de dança escura lotada como a D-Edge e uma festa à beira do mar no Warung. Como vocês se preparam para noites diferentes como estas?

Uma das melhores coisas de ser DJ é que realmente faz parte do nosso trabalho encontrar e ouvir música nova o tempo todo. Nós passamos literalmente dias de cada semana ouvindo promos, discos antigos e novos lançamentos, por isso estamos sempre preparados para qualquer situação. Muitos grandes djs afunilam seu repertório para um só tipo de som e só fazem uma coisa bem. Nós acreditamos que um bom DJ deve ser capaz de tocar no andamento, clima e volume apropriados para cada situação, então estamos sempre tentando nos manter ecléticos e práticar muito.

House de Nova Iorque ou de Chicago?

Temos muito amor por "Chi-Town" e você pode soltar house e clássicos da disco em Chicago como em nenhum outro lugar do mundo. Mas o house de Nova Iorque é o tipo de som com que crescemos, então temos que nos manter deep pra vida.

Qual é o clichê da house music favorito do Soul Clap?

A house music pode usar muitos chapéus!

Thiago Freitas
Thiago Freitas
everybody love everybody
comentários
2 comentários
JHON HARRY
JHON HARRY(19.02.12)
0AprovadoQueima
poxa é pipoco esses som, parabéns caras blzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzal
"Nós dois sempre FORAM atraídos por discotecagem(...)"?! Oooo... na moral, mais atenção na revisão gramatical dos textos...